ape

o desarranjo poético

domingo, 18 de novembro de 2012

o caminho das formigas

A glória da subida
é o caminho das formigas
A impiedosa ladeira,
Ruídosa e raivosa
devido aos milhares -
e suas cabeças de argila
e seu corpos duros de barro
e suas mentes de merda
e suas pegadas de pó e poeira.
Carne e sujeira na subida da ladeira.
Carne é sujeira na subida da ladeira.
Rasgando a pedra da cordilheira,
o abismo come o mundo.
Mas a glória da subida
é o caminho das formigas,
e não o precipício fundo.
Caminho -atento- o percurso
daquela doença.
Eu nunca olho pro lado.
Vejo sempre o couro suado
das nucas da interminável fila.
Ninguém pode olhar para a queda.
Aqueles que olham caem
e devem cair por muito tempo.
Mesmo com medo, meus pequenos
olhos olham
e eu esqueço a glória
e a fila
e o caminho das formigas


e caio


e finalmente







 voo

domingo, 21 de outubro de 2012


Quando cai a noite na cidade




todo oxigênio






se torna






gás lacrimogênio.





domingo, 6 de novembro de 2011

sacada.

- mais que cara.. o que houve?
- falta de sono.
- dormindo mal?
- bem demais.
- tá cagando dinheiro?
- longe disso.
- então largou aquele emprego.
- nem fodendo posso largar aquela merda.
- tá drogada?
- faz uns meses
- arrependida?
- desconfiada.
- desconfiada que a vida possa ser mais fácil do que é?
- mais ou menos.
- você tem medo.
- eu tenho medo.
- e eu coragem por dois.




quer tomar um chá?  sempre me ajuda a dormir...
eu trago aqui na sacada pra você.

sábado, 10 de setembro de 2011

a ilusão é algo tão confortante.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Carvoeira.

E do olho vermelho da besta-fera
dava para ver o feio e a bela
gelando um carinho entre as mãos.
Quebrando a monotonia
de todo aquele laranja-cobre
do céu anoitecido.













sábado, 20 de agosto de 2011

admiração é a forma mais distante de gostar.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

a vida anda boa demais para se fazer poesia.